English


Museu Colecção Bordado Barro Loja Acontece
  História Géneros de Bordados
logo

História
“As rendeiras estão sentadas em tripeças, junto das portas, vestidas com trajes característicos - saias escuras com barras claras, roupinhas de pano, lenço traçado sobre o peito, e mantinha curta na cabeça ou o clássico chapéu nisense; adornam-se com gargantilhas e fios de ouro, onde predominam os antigos hábitos de Cristo, de ouro esmaltado. Algumas delas, com rebolo (almofada) sobre o joelhos, vão fazendo as rendas de colchete, das mais complicadas, rendas de rebolo (bilros), ou fazendo renda de agulha, que servem, as mais das vezes, para colchas, que levam anos a compor e que gerações guardam nos arcazes, servindo somente nos dias festivos de bodas ou baptizados. A indústria das rendas de Nisa, restringida ao uso local, nota certo desenvolvimento no labor das rendeiras, pela exportação de muitos e belos exemplares.”

In Bordados e rendas de Portugal, Colecção Educativa – Série N – nº 10


 

De tradição muito antiga, sendo embora a sua origem impossível de datar com rigor, os bordados de Nisa chegam até nós devido a um arreigado tradicionalismo das gentes locais, com principal ênfase no respeito pelos costumes do casamento: a cama da noiva, a que se dava o nome de cama grave, era normalmente adornada com colchas, cobertores, lençóis e toalhas, a maior parte das vezes produzidas pela própria, e que faziam o seu orgulho, as delícias dos visitantes, e a inveja ingénua das moças casadoiras.

Mas se até meados do século XX, era em casa das Mestras (na sua maioria mulheres idosas e exímias bordadeiras, que ensinavam a arte enquanto davam vazão às encomendas) que as meninas aprendiam este labor, logo após a saída da escola, a mudança de hábitos de vida, com o aumento da escolaridade obrigatória e a possibilidade de continuar os estudos, retirou-lhes tempo para a confecção do enxoval e para a longa e laboriosa aprendizagem envolvida nesse processo secular.

Sem aprendizes, logo sem ajudantes, a arte das bordadeiras foi-se assim perdendo, por não ser mais rentável. E com ela a qualidade ancestral dos Bordados de Nisa, que passaram revestir-se de elementos decorativos cada vez menos cuidados e morosos, elaborados muitas das vezes através de fabrico mecânico. Ora, juntando a isto o facto de as encomendas exteriores, trazidas pelas “senhoras”, se basearem cada vez mais em desenhos importados das revistas da moda, se possível estrangeiras, o bordado nisense foi perdendo alguma qualidade e genuinidade que lhe conferiam a beleza e a riqueza artística inestimável de outros tempos.

 




  Mulher em traje tradicional de Nisa, confeccionando um alinhavado.

  Caramelo: alinhavado em linho, no estilo mais antigo.

  Pormenor de cama tradicional, com almofadões, lençóis e colcha bordados.


  Rebolo: utensílio com o qual se produz a renda de bilros

 

© 2009 Câmara Municipal de Nisa